sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Paris Photo

Tenho saudades desta feira. Muitas saudades. A última vez que a visitei foi em 2003 e ainda tenho excelentes recordações dela. Uma quantidade surpreendente de galerias oriundas um pouco de todo o mundo e muita fotografia de grande qualidade. Este anos são 89 galerias e 13 editoras e Portugal estará representado pela primeira vez. Até ter visitado a Paris Photo pela primeira vez, as feiras de fotografia a que estava habituado centravam-se mais em material e equipamento do que no produto fotográfico. A Paris Photo é o oposto. É uma mostra do melhor que há por aí no campo da fotografia artística. Este ano não vou conseguir visita-la. Já há alguns anos que vou dizendo que é desta que lá volto, que vai ser este ano, que não fui no ano anterior porque tinha um familiar doente, que não fui no seguinte porque estava com o orçamento limitado, no outro porque estava em aulas... e assim por adiante. Ora bolas. Este também não vai dar. Infelizmente. A sério. Vão. Vão vocês... sem mim... malandros.

video

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Aveiro + S. Jacinto

Sábado que passou realizou-se mais uma visita de estudo programada pelo Clube UNESCO Espaço T. Desta feita a visita tinha como principal mote conhecer a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto e aproveitamos para um dar um salto à bonita cidade de Aveiro, decorada com lindos moliceiros e arquitectura Arte Nova. Começamos por uma visita ao Museu de Aveiro, instalado no antigo Convento de Jesus da Ordem Dominicana feminina. Não foi possível a visita à exposição permanente, constituída basicamente por arte sacra, em virtude de o espaço que ocupa estar em remodelação, mas recomendo a sua visita vivamente. Passei por lá em Julho passado e surpreendeu-me bastante acrescido do facto de ser um espaço agradável e bem distribuído. Assim, a visita ao museu limitou-se ao percurso monumental com passagem pelo túmulo da Princesa Santa Joana, a Igreja de Jesus, a Capela de Santo Agostinho e o claustro com as suas capelas, sala do capítulo e refeitório. Após a visita ao Museu de Aveiro seguimos para a Sé Catedral e para a Igreja das Carmelitas.
Depois do almoço deslocamos-nos até à Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto para a visita programada, visita essa que foi agradavelmente orientada pela Dr.ª Angelina. Iniciamos o percurso pelo lado da Ria e fomos acompanhando a evolução das dunas e daquele tipo de terreno numa caminhada que durou aproximadamente duas horas e meia e terminou junto ao mar. Tivemos a oportunidade de perceber como o pinheiro (bravo e manso) foi introduzido naquela zona, como o carvalho também fez outrora parte daquela paisagem, de como plantas como a acácia introduzidas propositadamente se transformaram rapidamente em ameaça, descobrir a Camarinheira e o Samouco, e muitas outras coisas mais. Deixo-vos com algumas imagens.


Museu de Aveiro
Pormenor do túmulo de D. Joana, Santa Princesa
Pormenor do túmulo de D. Gabriel de Lencastre


Museu de Aveiro - Igreja de Jesus
Pormenor do órgão e altar-mor


Museu de Aveiro - Antigo Convento de Jesus
Pormenor da Sala do Capítulo
Pormenor do Refeitório


Sé Catedral
Pormenor do altar-mor e órgão


Sé Catedral
Pormenor da cúpula e relevo


Sé Catedral
Pormenor de talha dourada e relevo


Igreja das Carmelitas
Pormenor do altar-mor


Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto


RNDSJ - Pinheiro e Camarinheira


RNDSJ - Camarinheira e Samouco


RNDSJ - Pinheiral junto ao mar


RNDSJ - Primeira linha de dunas

Fotografia © Nuno Ferreira
É permitida a reprodução apenas para uso pessoal e educacional. O uso com fins comerciais é proibido.
Photography © Nuno Ferreira
Permission granted to reproduce for personal and educational use only. Commercial copying, hiring, lending is prohibited.

domingo, 11 de outubro de 2009

Xe Biennale de Lyon - La Sucrière

O terceiro local que visitei nesta 10ª Bienal de Lyon foi a Sucrière. Para quem está a seguir estes "posts", tenho que informar já que infelizmente acabei por não ter tempo de visitar o Museu de Arte Contemporânea, o que seria para mim o quarto ponto desta bienal. Pode ser que ainda volte a Lyon antes do final da bienal e se tal for o caso colocarei aqui no blog informação sobre esse último local.
Voltando à Sucirère digo-vos já que tive que andar um bom pedaço para lá chegar, especialmente porque tive de contornar toda uma zona em construção, futuros condomínios privados atrás de condomínios privados, edifícios de ar sofisticado e tudo o mais que está a nascer naquela zona.
Ao chegar ao edifício da Sucrière a primeira obra visível é a de Pedro Cabrita Reis, "Le Bureau (2009), à imagem do que propôs para o Entrepôt Bichat. Contornando o edifício pela direita em direcção à entrada encontramos a fachada pintada com a proposta "Cut the Mountain and Let it Fly" (2009) de Eko Nugroho. Ao fundo, sobre a entrada no edifício e na fachada seguinte, o português Rigo 23 utiliza os silos para a proposta "Gauche Droit" (2009). Ainda no exterior encontrei a obra "terre, ici la couleur est évidente" (2006) de Thierry Fontaine. Ao entrar deparamos-nos com o céu de azul do trabalho de Tsang Kinwah "Let Us Build and Launch A Blue Rocket To His Heaven" (2009).
Depois de passar pela bilheteira entro no primeiro piso de três, nos quais passei aproximadamente as duas horas seguintes. Logo à entrada o barulho estrondoso de um portão metálico a bater contra uma parede, proposta de Shilpa Gupta. Passo por uma zona de vídeo projecções onde destaco o trabalho de Oliver Herring. Reparo ainda no trabalho de Mark Lewis "Cold Morning" (2009). Passo pelo cérebro de luz "Head on" (2008) de Adel Abdessemed e pelo seu vídeo "terrorista" "Hot Blood" (2008) e sigo para junto do planetário portátil de Sarah Sze. Passado um pouco dou por mim num espaço preenchido por graffitis, carrinhas amontoadas, contentores suspensos e tudo o mais proposto por Barry McGee. Subindo ao piso seguinte entramos numa verdadeira loja chinesa após a qual somos surpreendidos pelos restantes trabalhos de Michael Lin. Sigo para um novo painel de Dan Perjovschi (um outro estava patente no piso de baixo) passando pela obra de Latifa Echakhch e chego a um espaço amplo onde se encontram as obras de Pedro Reyes "Palas Por Pistolas" (2008), e as colagens dos UN NOUS e de Liu Qingyuan. No piso seguinte destaco entre outras propostas de algum interesse a de Yang Jiechang "Underground Flowers" (1989-2009). Também patentes ao publico estão as instalações de Eulalia Valldosera, os recortes de Carlos Motta e os jardins do Yangjiang Group. Antes de descer ainda encontro a proposta de Xijing Men. Já de volta ao piso térreo e antes de sair passo pelo painel colorido de Liu Qingyuan & YAH Lab e restantes propostas "Only City", por uma pequena sala com trabalhos de Takahiro Iwasaki e finalmente por um outro trabalho de Eko Nugroho. Fiquem com as fotos. Uma imagem vale por mil palavras, não é?


"Le Bureau (2009) - Pedro Cabrita Reis
"Gauche Droit" (2009) - Rigo 23


"Cut the Mountain and Let it Fly" (2009) - Eko Nugroho


"terre, ici la couleur est évidente" (2006) - Thierry Fontaine
"Films" (2002-2009) - Oliver Herring


"Let Us Build and Launch A Blue Rocket To His Heaven" (2009) - Tsang Kinwah
"Head on" (2008) - Adel Abdessemed


"Untitled" (2009) - Sarah Sze


Instalação (2009) - Barry McGee


"What a Difference a Day Made" (2008) - Michael Lin


"The everyday drawings 1" (2009) - Dan Perjovschi
"Palas Por Pistolas" (2008) - Pedro Reyes


Colagem (2009) - UN NOUS
Colagem (2009) - Liu Qingyuan


"Underground Flowers" (1989-2009) - Yang Jiechang
Hot Blood (2008) - Adel Abdessemed


Esculturas (2001-2008) - Takahiro Iwasaki


"L'Arc-en-ciel sous la pierre" (2009) - Eko Nugroho
"Untitled" (2009) - Shilpa Gupta

Fotografia © Nuno Ferreira
É permitida a reprodução apenas para uso pessoal e educacional. O uso com fins comerciais é proibido.
Photography © Nuno Ferreira
Permission granted to reproduce for personal and educational use only. Commercial copying, hiring, lending is prohibited.